quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Lá Atrás parte II

Uma boa oportunidade para quem quer ganhar o STOP na próxima bricandeira entre amigos. Mais 30 delegações, resumidas, aqui no blog para os leitores

El Salvador Com 11 atletas, a delegação de El Salvador vai para Pequim sem a presença dos arqueiros medalhistas no Pan de 2003, mas mesmo assim tem alguns destaques. Franklin Cisneros conseguiu uma das vagas do continente para categoria até 81kg do judô enquanto Camila Vargas conseguiu uma das vagas no remo. No atletismo, Salvador Mira conseguiu índice A para as provas de marcha atlética, prometendo boas colocações.

Guiné Equatorial Depois de mandar o lendário Eric Mossambani para os Jogos de 2000, quando o nadador nadou cachorrinho os 100m efez um tempo em que sequer se classificaria para a prova dos 200m, a Guiné mandou três atletas para 2004 e agora em Pequim terá três atletas também. Emilia Mikue e Reginaldo Michandong vão no atletismo sem chances algumas, enquanto Jose Nchama foi convidado para disputar o judô.

Fiji As ilhas da Oceania levarão para Pequim seis atletas, três a menos que em 2004, quando foi representada em cinco esportes. Em 2008, atletismo, natação, judô, tiro e levantamento de peso estarão representados. No tiro, Glen Klabe tenta superar o 30º lugar obtido há quatro anos e Carl Pobert tenta melhorar seus tempos dos 50m e 100m livres feito em Atenas. Josefa Vuelti foi convidado para participar do levantamento de peso e Niko Verekauta, que disputará os 400m, com até alguma chance de passar a segunda rodada e Makelesi Batimala que tem poucas chances nos 100m feminino.

Gabão Lionel Baguisse, do tawekondo, é o único dos quatro atletas do país que conseguiu a classificação pelos torneios qualificatórios, graças ao vice campeonato no torneio africano. Sandrine Ilendou ganhou convite no judô e Paulette Milama e Wilfried Bingagoye correm no atletismo sem grandes chances.

Gana A delegação de Gana tem o boxe como principal destaque, com seis vagas em 11 categorias, o que significa que dois terços da delegação do país vem do esporte das luvas grandes.
No atletismo, Aziz Zakari é o principal nome do país e já foi semi finalista olímpico nos 100m rasos além de finalista do mundial de 2005. Os outros dois atletas do atletismo tem histórico menos vasto, com Vida Anim tendo chances de avançar para segunda rodada nos 100m e 200m rasos e Seth Amoo sem grandes chances nos 100m.


Granada Oito atletas no atletismo e um no boxe são os nove competidores do país em Pequim. O atletismo tem Alleyne Francisque como principal chance de medalha, apesar de remota, já que não aparece na mesma fora da quarta posição obtida em Atenas, há quatro anos nos 400m rasos. Entre os homens, destaque para Joel Philip que correu os 400m rasos em 45s29, tempo que pode o colocar numa final.

Guam A pequena ilha da Oceania conseguiu classificar seis atletas para Pequim, um a mais que há quatro anos. O principal destaque é para a canoagem, em que Sean Pangelinem conseguiu a vaga continental nas provas de canoa. Maria Dunn, na luta livre, e Christopher Duenas receberam convites para participar das competições, bem como o judoca Ricado Blas. No atletismo, Cora Alicto é candidata a ter o pior índice técnico da competição, já que tem melhor tempo nos 110 com barreira de 17s38, mais de seis segundos pior que o recorde mundial.Entre os homens, Darek Mandell participará dos 1500m rasos.


Guatemala O país da América Central tem como destaque o jogador de badminton Kevin Cordon, atual número 58 do mundo que poderá avançar algumas rodadas. Além disso, Amado Garcia, na maratona, e Luiz Garcia, na marcha atlética 20km e 50km, podem conseguir resultados muito bons para o país. Na vela, Juan Maegli conseguiu uma vaga na laser pelo campeonato mundial. A decepção ficou por conta do tawekondo, que ficou em quinto lugar em duas categorias há quatro anos, mas não conseguiu nenhuma vaga para Pequim. rita Zanaguero e Juan Rodriguez irão representar o país no pentatlo moderno e hipismo respectivamente, em vagas conquistadas nos Jogos Pan-americanos.

Guiné Nabie Foday é o destaque dos seis atletas que irão representar o país em Pequim. Ele disputará sua segunda olimpíada nos 100m e 200m rasos e tem chances de avançar para segunda rodada, principalmente nos 100m rasos. Além de outros dois atletas do atletismo, o país conseguiu convites na natação, dois atletas, e no taewkondo. Em Atenas, foram apenas três atletas.

Guiné Bissau O pequeno país do noroeste africano, levará a Pequim três atletas. O destaque é Augusto Midrana, que conseguiu a vaga na luta livre até 74kg quando venceu o campeonato africano. No atletismo, Holder da Silva correrá os 100m sem muitas chances de ir longe enquanto Domingas Togna tentará não ser a última nos 1500m rasos.


Guiana Quatro atletas no atletismo e um na natação representarão o país em Pequim. Niall Roberts nadará os 50m e 100m livre, sem qualquer chance de um lugar entre os 16 semi finalistas. No atletismo, Cleveland Ford é o maior destaque, principalmente pelo fato de ter sido o úncio medalhista do país na última edição dos Jogos Sul-americanos. Marian Burnett, semi finalista nos últimos Jogos Olímpicos, busca uma final nos 800m, algo difícil mas não impossível.

Haiti Apenas o judô, segundo o site da revista esportiva norte americana Sport Illustred, será representado pelo país. Joel Brutos, medalhista pan-americano em 2003 irá para sua segunda olimpíada no peso pesado, enquanto Ange Jean Baptiste recebeu convite para disputa da categoria até 57kg.

Honduras O principal destaque da delegação de Honduras é o time de futebol, que se classificou depois de ir bem no torneio pré olímpico da CONCACAF. Além do time de futebol, o remador Alberto Bernardez tem uma boa chance de fazer bonito, buscando ficar entre os 15 melhores no single skiff, enquanto Miguel Ferrera disputará a categoria até 80kg no tawekondo depois de ser vice campeão da complicada seletiva das Américas. Ao todo, serão 28 atletas.

Islândia O país, dono de uma das maiores expectativas de vida do mundo, tem apenas três medalhas em sua história e chega a Pequim sem grandes possibilidades. O time de handebol masculino tenta um bom resultado, mas a medalha está bem distantes. Ao todo, 29 atletas, representando atletismo, natação, remo além do handebol.

Jordânia A Jordânia tem como principal destaque a atleta do tawekondo Noha Hafez, campeã africana da categoria mais 67kg, O esporte foi o melhor da delegação em 2004, quando trouxe um quarto lugar. Ibrahim Bishart foi o melhor da região no mundial de hipismo saltos, conseguiu a vaga e lutará por uma boa colocação em Pequim, tentando melhorar a 55ª de Atenas. Natação, atletismo e tenis de mesa ainda serão representados.

Kiribati Apenas um atleta representará a pequena ilha da Oceania. Kaitinano Mwemweata disputará os 100m rasos sem nenhuma chance, sem nunca ter baixado de 11s. Ele tenta melhorar a 85ª posição que alcançou em Atenas 2004.

Kuwait Oito atletas farão parte da delegação do Kwait, pequeno país do Oriente Médio, nos Jogos Olímpicos. Talal Alenezi recebeu um convite para disputar a categoria até 100kg do judô,o mesmo acontecendo com Mohamed Madwa na natação. No tiro, três representantes Naser Mclad, Abdullah Alrashidi e Zaid Almutairi conseguiram vagas pelas copas do mundo e tem alguma chance de bom resultado. No atletismo e tenis de mesa, tiveram atletas convidados.

Laos O pequeno país na península do Viatnã levará para Pequim quatro atletas, dois no atletismo e dois na natação. Villayphone Vongpcahchnah disputará sua segunda olimpíada nos 50m livre e tentará desta vez não ser a última enquanto Thepphithak Chindavong fará sua estréia no masculino. No atletismo, Philaylack Sackpaseuth disputará sua segunda olimpíada nos 100m rasos, prova em que tem 13s43 como melhor marca e Souksavanh Tonsacktheva, que tem 11s26 como melhor marca nos 100m e disputou sem grande sucesso o mundial do ano passado.

Líbano Com apenas seis atletas, o Líbano, que já tem quatro medalhas olímpicas em sua história, é obrigado a aparecer na página dos países que não tem chances de medalhas, para tristeza de tantos descendentes espalhados pelo Brasil, principalmente por São Paulo. Rudy Rochache foi convidado para participar da categoria mais de 100kh do judô Wael Kobrousli foi chamado pela Federação Internacional de Natação para nadar os 50m metros livre, o mesmo acontecendo com Nibal Yamout. Mohame Tramim correrá sem grandes chances os 100m rasos, enquanto Gretta Taslakian busca melhorar a 40ª posição nos 200m rasos de Atenas. O outro atleta do Líbano foi convidado no tiro.

Lesoto O pequeno país que fica literalmente dentro da África do Sul, levará para Pequim um atleta no boxe e quatro no atletismo. Mamorallo Tjoka é o destaque no atletismo, tendo quase conquistado o índice B para a maratona. Já no boxe, Emanuel Nketu herdou a vaga na categoria até 54kg, depois de ter sido terceiro em dois pré olímpicos.

Libéria A terra do ex- melhor do mundo no futebol George Weah, levará três atletas, todos no atletismo para Pequim. Kia Davis disputará os 110m com barreira com reais chances de uma semi final, já que atingiu inclusive o índice B. Nathanyel Wilhams disputará os 100m rasos, sem nunca ter baixado dos 100m livre, sem muitas chances Jangy Eddy também correrá sem grandes chances.

Líbia Sete atletas disputarão as olimpíadas em nome da Libia, dois a menos que há quatro anos, em Atenas. No tawekondo, Ezedin Tlish disputará sua segunda olimpíada, conquistando mais uma vez o pré olímpico africano. No judô, Mohamed Blensaleh foi convidado, o mesmo acontecendo com os nadadores Asmahan Farat e Sofyan El Gadi. Ahmed Benglassen foi convidado para o ciclismo estrada.

Liecteinstein O pequeno país da Europa levará dois atletas para Pequim, um no tiro e outro no atletismo. Oliver Geissmen disputará pela segunda vez seguida as provas de tiro, tentando melhorar a 22ª posição de Atenas. No atletismo, Marcel Tschopp, que ficou em 47ª no último mundial da maratona, conseguiu índice e irá participar da prova em Pequim.

Luxemburgo 14 atletas representarão Luxemburgo em Pequim. O país, que levou três medalhas na história da competição, tem como principal esperança de medalha, talvez a única, Kim Kirschen, do ciclismo, que ficou em quinto em Atenas. Ainda serão representados o atletismo, a natação, triatlo, judô, tenis de mesa, ginástica e vela.

Macedonia Dona de uma medalha na história da competição, a delegação não parece conseguir seu segundo pódio na história. Com apenas sete atletas, a delegação quase caiu pela metade em relação aos 12 representantes de Atenas. Saso Nestorov, no tiro, e Atanas Nikoviski, na canoagem, receberam convites, o mesmo acontecendo com os nadadores Elena Popvska e Mihajlo Ristovski.

Madagascar O país do simpático filme de animação que leva o nome do país, levará seis atletas, três a menos que em Pequim. O destaque deve ser Joseph Berlioz, que em Atenas, foi para as semi finais dos 110m com barreira e pode alcança-la de novo. Jean Soloniania venceu o pré olímpico de boxe africano e pode até vencer algumas lutas em Pequim.

Maláui Quatro atletas, dois na natação e dois no atletismo, participarão dos Jogos de Pequim para o país, mesma quantia que em Atenas, mas sem nenhum atleta repetido. Na natação, nadarão Zahra Pinto e Charlton Nhyrieda enquanto no atletismo competirão Chauncy Master e Lucya Chandamale. Chauncy correrá os 1500m sem muitas chances, assim como fez no últimi mundial, enquanto Lucya disputará os 5000m sem granes chances.

Maldivas As Ilhas Maldivas participarão com dois atletas na natação e dois no atletismo, totalizando quatro competidores, igual a Atenas 2004. Aishath Reesha correrá os 1500m rasos para não ser última, enquanto Ali Shaerf disputará os 100m rasos, com o melhor tempo de 11s17 e sem a mínima chance de ir para frente.

Malta Seis atletas em quatro esportes representarão o país em Pequim. No tiro, William Chetcut pode ter um resultado razoável, assim como Marcon Bezzina no judô. Na natação, serão dois representantes, enquanto no atletismo outros dois atletas: Charlene Attard disputará os 100m e os 200m rasos sem grandes chances enquanto Nikolai Porteli correrá os 400m rasos.

Ilhas Marshall Cinco atletas representarão a ilha, destaque para Anju Jason no tawekondo, que venceu o pré olímpico da Oceania na categoria até 80kg.Roman Cress já fez 10s39 nos 100m rasos e se fizer esse tempo novamente se classificará entre os 32 das quartas de finais. Haley Nemra disputará os 800m com o tempo melhor quase 30s pior que o recorde mundial.

Um comentário:

Jorge disse...

Parabéns pelo blog, está muito informativo, continue assim.
Valeu...
Um abraço
JORGE CERQUEIRA
www.jmaratona.blogspot.com