segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Todas as delegações


Para iniciar a sessão de cinco especiais sobre cada uma das 202 delegações que participarão dos Jogos Olímpicos, as principais brigas no quadro de medalhas que estão previstas. A principal delas, claro, entre chineses e americanos, e até russos, pela primeira posição tanto por medalhas quanto por quantidade de ouros.
Além disso, a briga pela quarta posição deve se resumir a Austrália e Alemanha e a briga pela sexta posição poderá envolver Grã Bretanha, Coréia do Sul, França e Itália. A briga para entrar no top-10 entre Japão, Cuba, Bielorrussa, Brasil e Hungria. A briga para entrar nos top-15 entre países especialistas no atletismo, como Quenia, Etiópia e Jamaica, além da Espanha que tem enormes chances de medalhas em muitas modalidades.
Claro que essas brigas podem ser outras, até porque não existem previsões certas sobre cada uma das medalhas e cada uma das posições, podendo assim a Espanha brigar pelas primeiras oito posições ou um dos países citados não conseguir ouros, como aconteceu com o Brasil em 2000. A baixo, a relação dos 30 primeiros colocados pelo quadro de medalhas do meu blog. Para visualizar somente o quadro de medalhas, vá ao lado esquerdo da tela, em Quadro de medalhas.


EUA Os norte americanos, como de costume, deverão ter suas medalhas concentradas em mais de 50% na natação e no atletismo, conseguindo poucas vitórias, para um líder do quadro de medalhas, em outros esportes. Serão cerca de 596 atletas na equipe yankee, que em Atenas ganhou 35 ouros, 39 pratas, 29 bronzes. Segundo minhas apostas, o time americano fechará Pequim com 46 ouros, 48 pratas e 27 bronzes, 14 dos ouros na natação e 12 no atletismo. A disputa com a China pela liderança do quadro de medalhas será eletrizante e coloco a ginástica artística feminina como o esporte chave para a definição, já que cada medalha valerá "dois", pois provavelmente quando perdida, o país rival ganhará.
Os norte americanos estão classificados em todas as modalidades, excessão feita ao handebol, que ficou longe da vaga tanto para homens como para mulheres. O resto das medalhas de ouro estão espalhadas pelo restante dos esportes, sem nenhum destaque específico.


China Os chineses investiram milhões nos Jogos Olímpicos e não querem sair perdedor na luta pela primeira posição diante dos rivais americanos, atuais tri campeões do quadro de medalhas. O principal destaque da delegação será os saltos ornamentais, que em Atenas levou seis dos oito ouros, e que agora busca o 100% de aproveitamento. Segundo minhas apostas, o esporte levará sete ouros, perdendo apenas a plataforma masculina. Pelo meu quadro de medalhas, serão 41 ouros, 25 pratas e 29 bronzes, melhorando em nove o número de triunfos em relação a 2004, mas ainda perdendo para os americanos. O tenis de mesa, com prováveis quatro ouros em quatro categorias, e o tiro com possíveis quatro primeiros lugares, ajudarão o país a brigar com os americanos pela liderança, atenuando um pouco a distância que a Terra do Tio Sam abrirá no atletismo e na natação. Vale lembrar que o levantamento de peso irá muito forte e tem, pelo meu blog, nove dos 15 ouros em disputa.
A China melhorou em diversos esportes e hoje em dia tem times competitivos na maioria deles. A natação tem tudo para ganhar uma medalha em um revezamento medley feminino,o que prova o quanto eclético está o time que pulará no cubo dágua, apesar de bem inferior a outras tantas equipes. A China está investindo muito e se a primeira posição não vier agora, brevemente virá.

Rússia O maior país em extensão do globo terrestre também tem a maior variedade de possíveis pódio, estando presente entre os favoritos tanto em esportes coletivos, como individuais em duplas e por equipes. O time tem previsto pelo meu blog 36 ouros, 17 pratas e 41 bronzes, se consolidando como a terceira força disparada do mundo. As chances de ficar á frente de China e EUA são pequenas, mas existes, basta conseguir alguns ouros inesperados e torcer contra os dois adversários. É difícil, mas não impossível. Os russos dificilmente perderão a terceira posição. O atletismo e o boxe com seis ouros cada, o tiro com quatro, além dos plásticos GRD e Nado sincronizado que devem dar dois ouros cada são os destaques. O país pode chegar a contagem centenária de 100 medalhas e se bobear ficará em primeiro em número de pódios.


Austrália Os australianos evoluíram muito na natação, esporte já dos mais tradicionais da grande Ilha da Oceania, e devem brigar de igual para igual com os americanos, principalmente no feminino quando tem previstas nove medalhas douradas. O blog preve ao todo 20 ouros, 17 pratas e oito bronzes, colocando em risco a quarta posição no quadro e sem grandes chances de sonhar com algo a mais que isso, principalmente com a decadência do ciclismo que, em 2004, trouxe seis ouros e para esse ano tem apenas um previsto. A briga com a Grã Bretanha poderá ser muito boa pela quarta posição no geral.

Alemanha Os alemães terão sua quarta olimpíada seguida com equipe unificada e ainda não conseguiram mostrar a força que tinha quando o país era dois. Naquela época, independente do suposto dopping dos atletas, a Alemanha Oriental tinha a terceira força do mundo, atrás apenas dos gigantes EUA e URSS, enquanto a Alemanha Ocidental também conseguia boas campanhas. Esperava-se então uma super equipe alemã, o que não aconteceu ainda. Sexto colocados em Atenas, os alemães agora sonham com a quarta posição, a frente da Austrália. Pelos cálculos do blog, o país levará 19 ouros 17 pratas e 26 bronzes, seis ouros a mais que em Atenas 2004. Os destaques dos germânicos são o hipismo, em que cravei quatro ouros para o país, e a canoagem em que aposta seis ouros. Torcendo por alguns tropeços australianos na natação pode pintar uma quarta posição.

Grã Bretanha Os britânicos vêm conseguindo olimpíada pós olimpíada, apagar o fracasso de 1996 quando levou apenas um ouro. Depois da sétima posição em Atenas, atrás do Japão inclusive, o time busca a sexta posição em Pequim para poder brigar pelo quarto posto daqui a quatro anos, quando competirá em casa. O único país a ganhar medalha em todas as edições olímpicas já disputadas, tem previstas pelo blog 15 ouros, 11 pratas e 12 bronzes , seis ouros a mais que o obtido há quatro anos. Brigar com a Alemanha para ser o melhor time europeu depois da Rússia nos Jogos Olímpicos é algo que não está distante. Porém, mais perto estão os países abaixo, como França e Itália, que farão com que os britânicos tomem cuidado para não perderem a sexta posição do ranking geral de medalhas.


Coréia do Sul Os sul-coreanos tem tudo para melhorar a nona posição de Atenas mas dificilmente ficarão em quarto lugar, posição alcançada quando foram sede em 1988. Nos Jogos passados foram 9 ouros 12 pratas e 9 bronzes e esse ano eu previ 10 ouros, 6 pratas quatro bronzes, com um total menor, mas com mais ouros e a frente de Itália e França. O tiro com arco e o tawkondo continuam sendo as forças do país.

França Os franceses, sem ouros previstos na canoagem, esporte que há quatro anos subiu três vezes no lugar mais alto do pódio apareceu na oitava posição do quadro de medalhas do blog, com 8 ouros, 9 pratas e 15 bronzes, três ouros a menos que em Atenas. O país está atrás da Coréia, país em que sempre esteve na frente. O destaque vai para esgrima, com três ouros previstos. A natação, evoluindo, e o ciclismo sempre forte vem como alicerses para a campanha francesa, que não promete muito mais que lutar para não sair dos 10 primeiros.

Itália Os italianos têm previstos pelo blog os mesmos oito ouros da França, mas com menos prata, nove, e mais bronzes, 17. Um total de 34 pódios estaria na média dos últimos anos, mas mantém a decadência de ter sido sexto em Atlanta, sétimo em Sydney, oitavo em Atenas e agora a nona posição, passando o Japão mas perdendo para Coréia. A Itália já não é mais tão hegemônica na esgrima, e tem previstos apenas dois ouros. O atletismo tem previstos os mesmos dois ouros de Atenas e os esportes coletivos vem com mais força, como o futebol masculino e o volei feminino, este último favorito ao ouro pelo meu blog.

Japão Depois de incríveis oito ouros no judô nos Jogos de Atenas, desempenho que levou os japoneses para a quinta posição no quadro de medalhas, o país deve cair alguns postos, já que o esporte não está tão bem das pernas, visto que no último mundial não ficou com medalha de ouro em categorias olímpicas masculina. Os oito ouros caíram para três, segundo minhas apostas, e seguindo a da revista americana Sports Illustred apenas uma. A luta livre feminina, com três ouros previstos, pode salvar um pouco o desempenho e deixar os japoneses entre os 10 melhores, com oito ouros, cinco pratas e 14 bronzes.


Brasil O Brasil poderá ser a maior surpresa do quadro e tem previstos pelo blog oito ouros, três pratas e oito bronzes. Os destaques continuam os mesmos de sempre: Futebol, volei, volei de praia, judo, mas esse ano promete a volta da natação e um desempenho melhor do atletismo, além da possível entrada de novos esportes no quadro de medalhas, como ginástica artística e tawekondo. Em Atenas, o país conseguiu o melhor desempenho com cinco ouros, e agora pode chegar até a oito segundo meu blog. Poderá brigar para entrar no TOP-10.

Cuba Impressionante como o país do Caribe pode estar na maior crise, mas o esporte vai sempre se destacar, trazendo sempre medalhas. Porém, segundo meu blog, o país terá apenas sete ouros, oito pratas e 13 bronzes, pior participação desde Moscou em 1980 e ficará em décimo segundo, caindo uma posição em relação Atenas 2004. O boxe, vivendo uma crise com deserções, está perdendo o domínio mais ainda segue como maior medalhista da delegação, enquanto o atletismo dá mostar que está cada vez melhor, com cinco pódios previstos.

Holanda Os holandeses tiveram uma olimpíada de 2000 inesquecível, quando ficou na oitava posição com 12 ouros. Quatro anos depois, o país caiu na real e deixou Atenas na décima sétima posição do quadro de medalhas com quatro ouros. Para Pequim, segundo meu blog, os holandeses terão 6 ouros, 6 pratas e 9 bronzes, ficando na décima terceira posição. O ciclismo, com dois ouros e um total de cinco pódios, segue como principal esporte do país enquanto a natação promete um ouro, nada comparado com o desempenho de 2000 quando trouxe 6 medalhas douradas.

Bielorussia Talvez a maior surpresa do quadro de medalhas. Pelo meu blog, promete seis ouros, três pratas e três bronzes, ficando na décima quarta posição, melhorando 12 postos dos últimos Jogos, quando ficaram em 26º com dois ouros e um total de 15 medalhas. O atletismo com três pódios e o levantamento de peso que promete duas medalhas de ouro. Em três Jogos Olímpicos desde sua independência, o país já soma 56 medalhas, mostrando que em pouco tempo pode virar uma potência esportiva.


Jamaica Os jamaicanos manterão a tradição nas provas de velocidade do atletismo e, segundo meu blog, ficará com um total de 5 ouros, cinco pratas e um bronze, todos conquistados nas provas de 100m, 200m,400m e revezamentos do atletismo. A vaga no top-15 poderá ser conquistada pela primeira vez desde Helsinque, 1952, quando o país ficou em 13º. Em termos quantitativos, tem tudo para melhorar o recorde de seis medalhas em Atlanta 1996 e de dois ouros em Atenas e Helsinque. Falta aparecer em algum outro esporte a não ser o atletismo, mas o país promete.

Hungria Os húngaros foram uma das principais potências esportivas até metade do século passado, quando passou a ser coadjuvante nas olimpíadas. Nos dois últimos Jogos, ficou na décima terceira posição e agora, segundo meu blog, caiu três posições, ficando com quatro ouros, seis pratas e oito bronzes.. Os destaques são pólo aquático, esporte que os homens podem conquistar medalha pela oitava vez seguida, e a canoagem, que levou três ouros há quatro anos e agora promete quatro. O país busca se manter no top 15, mas pelos cálculos do blog ficará de fora.

Quênia A delegação do Quenia, com destaque apenas no atletismo, quer ser a primeira do quadro de medalhas do continente, posto que perdeu para Etiópia em Atenas. A delegação, como de costume, aposta nas provas de meio fundo e fundo do atletismo e teve previsto pelo meu blog quatro ouros, cinco pratas e três bronzes, com destaque para a prova dos 3000m com obstáculos, em que muito provavelmente farão os três primeiros colocados. Assim como a Jamaica, precisa de um outro esporte ou se destacar em mais provas do atletismo se quiser subir mais. Porém, pode bater seu recorde de cinco ouros, conquistados em Seul, 1988.

Etiópia Principal rival do Quenia, busca também a liderança no quadro de medalhas africano se empenhando nas provas de meio fundo e fundo do atletismo. Em Atenas, foram dois ouros, dois a menos que em Sydney, quando teve seu melhor desempenho. Agora, meu blog previu quatro ouros, uma prata e sete bronzes para o país que ficou na décima oitava posição do quadro do meu blog.


Eslováquia Talvez uma das surpresas do quadro, aparecendo entre os to-20, na décima nona posição com três ouros e duas pratas.Em Atenas foram dois ouros, e agora o país promete mais um. Com grandes nomes na canoagem slalom, o país tem tudo para conquistar três das quatra vitórias na modalidade. De resto, o judô deve repetir uma medalha conquistada em Atenas. O país tem apenas uma modalidade como força e demonstra ter uma delegação heterogênia, sem grandes destaques.

Geórgia Fechando o top-20, a delegação da Georgia, que em 2000 teve uma participação olímpica parecida com a do Brasil, sem medalhas de ouro e um total de seis bronzes. Para Pequim, o país vem muito bem representado no judô e nas lutas para melhorar os dois ouros conquistados há quatro anos. Pelo blog, foram previstos seis medalhas, três ouros, uma prata e dois bronzes.

Croácia Pelo meu blog, a delegação da Croácia ficaria na vigésima primeira posição com três ouros e dois bronzes., melhor desempenho disparado do país, que tem o recorde de um ouro e um total de cinco medalhas, há quatro anos. Os destaques da delegação são o handebol e o pólo aquático, que prometem ouro, e o boxe que promete trazer a primeira medalha da história do esporte para o país.

Espanha Apesar de apenas a vigésima segunda posição no quadro de medalhas, a Espanha promete a melhor olimpíada desde quando ficou na sexta posição em 1992, quando sediou o evento. Meu blog previu 2 ouros, 14 pratas e 2 bronzes para a delegação que tem tudo para levar mais ouros, já que por 14 vezes no meu blog ficou na segunda posição. Os grandes destaque são o tenista Rafael Nadal, a equipe de basquete masculina e o triatleta Javier Gomez. Melhorar os cinco ouros de Atlanta 96 já seria uma vitória para os espanhóis, que naquela ocasião ficaram em décimo terceiro.

Bulgária A Bulgária prometida dois ouros, seis pratas e quatro bronzes, ficando na 23ª posição do quadro, mas toda a delegação de levantamento de peso, que segundo meu blog traria três medalhas, foi banida dos Jogos por uso de dopping. Agora, o país que ficou em terceiro nos Jogos de Moscou, deve sair dos 30 melhores, assim como acontecera em Atenas, quando ficou em 33º. Os destaque da delegação são as lutas, que prometem dois ouros e duas pratas, e o destaque negativo para o atletismo que pode sair zerado de Pequim , assim como saiu de Atenas.

Nova Zelândia A Nova Zelândia tem previsto pelo meu blog um total de nove medalhas, dois ouros, cinco pratas e dois bronzes ficando na vigésima quarta posição. O triatlo e o ciclismo seguem como candidatos ao pódio assim como o remo, que promete os dois únicos ouros da delegação. Em Atenas, foram três ouros e uma vigésima quarta posição. A melhor participação do país foi em 1984, quando ficou na oitava posição.


Irã Os iranianos fecham os top-25 do meu blog com um total de oito medalhas, dois ouros, duas pratas e três bronzes, ganhando mais medalhas que em Atenas, mas uma a menos de ouro. Naquela ocasião, ficou em vigésimo nono no quadro, longe da décima quarta posição obtida em 1956 na melhor participação do país.
Os destaques da delegação são o levantamento de peso, com um ouro, e as lutas que prometem cinco medalhas. Além disso, o país tem tudo para levar a primeira medalha em esportes diferentes dos três citados, com uma possível medalha no judô.

Suiça Os suiços tem previstos pelo blog um total de cinco medalhas, dois ouros e três pratas, campanha que lhe daria a vigésima sexta posição no quadro de medalhas que melhoraria as posições nas olimpíadas anteriores mas nem de perto faz lembrar as colocações obtidas na primeira metade do século. Os destaques prometem ser o ciclismo, que tem previstos pelo blog um ouro e duas pratas, melhorando a medalha de prata obtida há quatro anos. Além disso, tem o incrível Roger Federer, que apesar de estar numa pequena decadência, ainda é o maior credenciado ao ouro.

Polônia A vigésima sétima posição para os poloneses no quadro de medalhas do blog, com dois ouros, duas pratas e três bronzes, fariam o país continuar sua queda no quadro de medalhas. Depois de ser sexto em 1976, foi caindo aos poucos até ser 23º há quatro anos. Os destaques seguem a natação e o atletismo com duas medalhas previstas para cada, além do remo que quer manter a tradição e levar um ouro, previsto pelo blog.

Canadá Os canadenses perdera as vésperas dos Jogos uma das maiores esperanças de ouro, a barrerista Perdita Felicien, que machucada não irá a Pequim. Desta forma, meu blog previu 2 ouros, 2 pratas e 7 bronzes, com um total de 11 pódios para o país das coníferas. Os destaques permanecem sendo a canoagem e o triatlo, além da ginástica trampolim. O país, que ficou em 21º em Atenas, teve sua melhor participação em Los Angeles, 1984.

Portugal Os portugueses, apesar de não chegarem a 100 atletas para Pequim, tem alguns destaques podem levar o país para a melhor participação da história, melhorando as três medalhas de 1984. O blog previu dois ouros, duas pratas e dois bronzes para o país, que fecharia os Jogos Olímpicos na vigésima nona posição, melhor posição da história. Naide Gomez, no atletismo, Vanessa Fernandez, no triatlo são os destaques da delegação, que tem tudo para fazer a melhor participação da história de nossa Metrópole.


Noruega A Noruega terá, segundo o blog, uma das maiores quedas no quadro de medalhas. Depois de terminar na décima sétima posição em Atenas, com cinco ouros, o país tem previstos apenas 2 ouros, 1 prata e 2 bronzes, o que deixaria na trigésima posição. O atletismo, Canoagem, vela, remo e ciclismo, os cinco esportes que levaram ouro há quatro anos, prometem medalhas, segundo o blog, mas não de ouro como há quatro anos. O número de medalhas no total permancerá parecido, resta saber o número de ouros.

2 comentários:

Eventos Paraty disse...

Sabe o numero certo da delegação dos EUA ??
Grata patricia
patrici-2006@hotmail.com

Felipe disse...

Cuba em crise? Como assim? Um país que teve um crescimento do PIB de 8% em 2006 e 9,5% em 2007 está em crise? Um país que apresenta um IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) bem melhor que a maioria dos países latinos americanos (inclusive o Brasil) está em crise? Que eu saiba, quem passa por uma grande crise no momento, são os EUA. E todas essas pobres nações africanas que você citou, não estão em crise há séculos? Prezado blogueiro, favor corrigir sua declaração tendenciosa sobre Cuba, garantindo-lhe isonomia como nos comentários aos demais países.