segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Lá Atrás

Depois de fazer as 30 prováveis primeiras colocadas no quadro de medalhas, o blog trás um pequeno resumo das prováveis 30 últimas colocadas no quadro de medalhas. São ao todo 202 delegações em Pequim e mais de 100 delas não trarão ou não tem chance alguma de pódio. A partir de hoje, até quinta, um resumo de cada uma destas delegações, começando com 30, até chegar mais ou menos em 120 na quinta feira.


Afeganistao: O pais devastado pelas guerras, ira para Pequim com apenas quatro atletas, dois deles no atletismo e um no tawekondo. No atletismo, Massoud Azizi, ira disputar sua segunda olimpiada, novamente como convidado para ter todos os paises presentes do atletismo. Em Atenas, ficou em 79 nos 100m rasos com 11s66. Agora, busca melhorar o tempo chegando perto do 11s11 que e seu recorde. Robina Munqyar, que tambem disputou Atenas, fazendo 14s14 nos 100m rasos, nao disputou uma competicao oficial desde la e tenta melhorar seu tempo. Ao menos a barreira da mulher afega foi quebrada e ela ira para sua segunda olimpiada. No tawkondo, Nesar Behave conseguiu convite. Segundo o site da Sport Illustres, Rohullah Nikpai tem uma vaga tambem, mas nao confirmada pela Federacao Internacional de Tawkondo.
Em Atenas, o pais levou atletas no boxe, luta e no judo, coisa que nao foi convidada para Pequim, mas tambem nao havia vencido nenhuma luta. O mais estranho da historia olimpica do pais e que o boicote de 1980 feito pelos norte-americanos e seus aliados foram justificados pela invasao sovietica ao Afeganistao. E o pais participou dos Jogos, no boxe com tres lutadores, todos eliminados na primeira luta.

Albania Serao 11 atletas da Albania nos Jogos Olimpicos de Pequim. Dois na natacao, tres no levantamento de peso, dois no atletismo, dois na luta, um no tiro e um no judo. Em 2004, foram oito atletas, nenhum com muito destaque. Dorian Kolaku e Klodiana Shala disputarao sua segunda olimpiada, tambem convidados para o atletismo em 2004. Collaku esta com 76m no arremesso de martelo, e conseguiu o indice B para competicao desta vez. Feito heroico para o pais. Shala fez 1min00s nos 400m com barreira em Atenas mas ja fez 56s48, ano passado, o que a coloca bem para ate sonhar com uma vaga na segunda fase. Tem tambem 52s86 nos 400m rasos, tempo que lhe rendeu indoce B para a prova. Romena Marku, nas piscinas, tambem ira para segunda olimpiada tentanto melhorar os 31s que fez nos 50m livre em Atenas.
Na luta, Sahrit Prizani ira para sua segunda olimpiada, depois de perder seus dois combates em Atenas. No levantamento de peso, Gert Tahasha busca melhorar a decima quarta posicao obtida na categoria ate 62kg.

Samoa Americana A pequena Ilha da Oceania, que tem a dependencia do governo norte americano vai para Pequim com quatro atletas. Sao dois na natacao, um homem e uma mulher, um no atletismo e outro no judo.
No atletismo, a familia Sanitoa tem tres representantes cadastradas na IAAF e quem vai e Shanaham, nos 100m rasos. Stewart Gleniser vai nadar os 50m da natacao e Virgina Farmer os 50m feminino enquanto Silulu Aetoinu disputara a categoria ate 57kg do judo.

Andorra O pequeno paraiso fiscal localizado na Europa levara a Pequim cinco atletas em quatro esportes diferentes. Apenas o atletismo tera dois atletas. Antoni Planas disputou a maratona em Atenas e ficou em 57. Agora em Pequim, tem grandes chances de melhorar o resultado principalmente pelo tempo feito esse ano de 2h14min que e indice olimpico B.
Hocine Naciane vai nadar pela segudna vez os 200m medley em olimpiadas, tentanto melhorar os 2min06s de Atenas e a trigesima sexta posicao de 2004. Na canoagem, Garcia Monstserra conseguiu a vaga no k-1 feminino pelo mundial e a principal esperanca de bom resultado do pais.


Angola O pais que nunca conquistou medalhas dificilmente quebrara esse tabu em Pequim. Porem, o pais de mostra diferente dos outros africanos, conseguindo vagas em esportes coletivos, como o handebol feminino, basquete masculino, alem do volei de praia e atletismo.
O destaque da delegacao e o time de handebol feminino, setimo colocado no ultimo mundial, e que pode sim surpreender. O time de basquete masculino ja tem situacao bem mais complicada, nao conseguindo jogar de igual para igual com os rivais.
No volei de praia, Fernandez e Moreais se classificaram por ser a melhor dupla africana no ranking.

Antigua e Barbuda As duas ilhas localizadas proximo a Porto Rico e que fazem parte da Comunidade Britanica, levarao quatro atletas para Pequim, tres no atletismo e um na natacao.
Brendan Christian, medalhista no Pan do ano passado, ira disputar os 100m rasos e foi semi finalista do ano passado. Com 10s11 como seu melhor tempo luta por uma final. Nos 200m, tambem pode ser finalista.
Daniel Bayley e outro grande destaque, tendo 10s12 como melhor tempo nos 100m do atletismo e podendo ate lutar por uma vaga na final. Sera sua segunda olimpiada e em Atenas nao passou da primeira fase. James Grayman ja saltou 2m27 em 2007 ,marca que lhe dara provavelmente uma final olimpica em 2008, se repetida e pode ser um dos 12 melhores. O pais tera apenas quatro atletas mas dara um trabalho danado nas provas de atletismo. A primeira medalha olimpica da historia nao deve vir, mas a primeira final e bem possivel.

Aruba A ilha da America Central, nao muito ligada ao esporte como mostrou o Jornal Estado de Sao Paulo durante o Pan do Ano passado, ira levar apenas dois atletas para Pequim. Fidert Vis na categoria ate 81kg do judo, gracas a um dos quatro convites que a Federacao de Judo fez nesta categoria.
Jan Roodzant ira disputar, assim como fez no Pan chegando ate as semi finais, as provas de natacao e tentara melhorar seus tempos.
Austria A principal forca austriaca esta no judo, que segundo minhas apostas trara tres medalhas de bronze. Serao 73 atletas em busca de melhorar o desempenho austriaco em Atenas, quando fez seu melhor desempenho pos guerra, e aumentar o numero de medalhas do pais na historia, que no momento esta em 18 ouros, 32 pratas e 33 bronzes.
No ciclismo, Christiane Soeder tem alguma chance na prova contra relogio, em que foi bronze no ultimo mundial. Na vela, Nico Delle e Nikolaus Resch , na 49er, e principalmente Roman Hagara e Hans Peter Steinacher na tornado sao candidatos ao podio. No judo, Ludwig Paischer, Claudia Heill e Sabrina Filzmoser foram apostas do meu blog para o bronze.

Bangladesh Seis atletas representarao o pais em Pequim, mas sem grandes chances de medalhas. Os mesmos tres esportes que o pais participou em Atenas receberam convites para participar em Pequim: Natacao, atletismo e tiro.
No atletismo, o principal nome e Mohamed Abdull, que tem 23s44 como seu melhor tempo nos 200m rasos e deve ficar na ultima posicao ou perto dela, como fizeram todos os atletas do pais em Atenas. Beaty Nazmunnah correra os 400m tentando baixar dos 55s pela primeira vez. Doli Akhatar disputara sua segunda olimpiada no nado peito, tentanto melhorar a posicao de 64 obtida em Sydney e 61 em Atenas. Os dois atletas do tiro sao estreantes em olimpiadas e nao deverao ficar longe dos ultimos cinco colocados.


Barbados Os atletas de Barbados, que ate ganharam torcedores especiais como o LANCE! mostrou nos Jogos Pan-americanos do ano passado, ira para Pequim com uma delegacao de oito atletas, divididos entre Atletismo, natacao e vela.
O pais de terceiro melhor IDH das Americas, nao tem chances de medalha mas tem a honra de classificar Wilham Douglas para as competicoes da classe laser da vela, sem precisar de convite, gracas a posicao obtida no mundial de 2008 da categoria.
Jade Baylei correra os 100m e 200m e sera o destaque da delegacao, com chances reais de final na prova dos 200m e podendo passar algumas rodadas nos 100m, Seu melhor tempo e de 22s91 e pode lhe render uma vaga entre as oito melhores. Ryan Brathwaite, semi finalista do mundial nos 110m com barreiras e outro que pode ficar entre os oito melhores.
O astro Obdele Thompson, finalista dos 100m rasos em Atenas e dono da unica medalha da historia do pais em olimpiadas, bronze em 2000, parece ter um sucessor, Andrew Hinds, que ja correu os 100m em 10s16 e pode ser finalista da prova.

Belize O pequeno pais localizado na America Central nunca conquistou medalhas e nao sera desta vez que conseguira. Sao ao todo quatro atletas, tres deles no atletismo e um no tawkondo. Afonso Martinez ganhou da Confederacao Internacional de Tawkondo um convite para disputar a categoria ate 58kg.
No atletismo, Tricia Flores correra os 100m, Jayson Jones os 100m e 200m e Jonathan Wilhamns os 400m com barreiras. Todos eles estiveram aqui nos Jogos Pan-americanos e podem ate surpreender. Jones deve passar das eliminatorias dos 100m e 200m e uma semi final seria ate um sonho. Wilhams tem chances reais ate mesmo de uma final nos 400m com barreira, visto seu melhor tempo que e de 48s88.

Benin Cinco atletas representarao o pequeno pais africano localizado entre Nigeria e Gana no noroeste do continente. Dois na natacao, dois no atletismo e outro no tawkondo farao parte da delegacao do pais. Nissar Ahmad ganhou convite da Federacao Internacional de Tawkondo enquanto Alois Dansou e Gloria Koussihoudeed receberam convites da FINA, Federacao Internacional de Natacao. Dansou disputara sua segunda olimpiada, depois de fazer 24s86 em Atenas nos 50m livre
Fabienne Feraez ira para a segunda olimpiada e desta vez tem chances de passar para a semi final, ja que em 2004 passou uma rodada e foi as quartas de finais. O tempo de 22s81, feito em 2005, e o melhor da carreira e se repetido lhe dara ate uma final.
Mathieu Gnanligo fez indice olimpico para a prova dos 400m, com o tempo de 45s88 e pode passar das quartas de finais na prova.

Bermudas Sete atletas representarao o pais que inventou uma nova moda no jeito de usar suas calcas, colocando assim o nome de Bermudas nos trajes que nao vao ate o tornozelo. Serao dois no atletismo, dois na natacao, dois no hipismo e um no triatlo, delegacao menor que em 2004 quando a vela e os saltos ornamentais foram representados.
Kiera Aikiten nadara pela segunda vez seguida os 100m costas e obviamente nao devera ficar entre as 16 primeiras colocadas. Porem, se melhorar o tempo de 1min04s que fez em Atenas pode nao ficar nas ultimas posicoes.
No atletismo Tyrone Smith fez indice B olimpico com 8m03 esse ano e pode ate passar a f inal, que devera rondar na casa dos 8m.
No hipismo, o pais conseguiu a classificacao de Jillian Tercera e Patrick Nisbett para a prova de saltos, gracas aos resultados obtidos no Pan do Rio. Deverao fazer um bom papel, entre os 50 primeiros dos 75 que disputarao o hipismo saltos.

Butao Segundo a revista americana Sports Illustred, somente dois atletas no tiro com arco serao representados pelo pais em Pequim. Porem, acredito que alguma vaga no atletismo o pais deve ganhar, ja que a federacao internacional busca que todos os paises disputem o esporte que mais da medalhas em olimpiadas.
Quanto ao tiro com arco, a vaga foi obtida por Dorji Dema e Tashi Peljor, que conseguiram convites da federacao. Os atletas deverao lutar para nao fazer feio nas preeliminares em que os 64 arqueiros serao ranqueados.


Bolivia O pais de Evo Morales devera ir para Pequim com uma delegacao de seis atletas, fivididos em atletismo, natacao, levantamento de peso e tiro.
As vagas no atletismo sao de Sonia Calyzais, que fez 2h45min na maratona e pode brigar para nao chegar nas ultimas posicoes e Frederique Iglezas que com 1min48s16 nos 800m rasos tem boas chances de passar para segunda rodada, melhorando o resultado de Atenas. A decepcao ficou por conta da marcha atletica, em que Geovana Irusta ficou perto do indice olimpico mas acabou fora da delegacao. Ela disputou Atenas, ficou em 41, a frente inclusive da brasileira Alessandra que foi a 48.
No levantamento de peso, Maria Teresa Monasterio foi convidada pela federacao para fazer parte da categoria ate 63kg. Katarine Moreno ira para sua segunda olimpiada na natacao, desta vez para melhorar o 1min18s feitos no 100m peito de Atenas.

Bosnia- Hervegovina Localizada no coracao dos Balcas, o pais nao tem muita tradicao no esporte e tenta sua primeira medalha olimpica. Sera a quarta aparicao no evento e agora com nove representantes em sete esportes.
No atletismo, Hamza Alic disputara o arremesso de peso, prova em que chega a 20m e tem chances reais de uma final olimpica. Ja Lucia Kimani, disputara a maratona com o tempo de 2h37min como seu melhor, podendo ficar no grupo intermediario.
No levantamento de peso, judo e tiro a vaga veio por convites das federacoes internacionais, o mesmo acontecendo na natacao.

Botsuana 12 atletas representarao o pequeno pais africano em Pequim, com grande destaque para o atletismo que assegurou sete dessas vagas.
Onalenna Baloyi vai disputar os 800m, prova que correu esse ano em 1min46s, tempo que podera lhe dar uma vaga na final. Gable Garenatse disputara sua segunda olimpiada no salto em distancia, prova em que foi quarto colocado no mundial indoor desse ano. As chances de medalhas nao sao grandes, mas a de final existe.
Fanuel Kenozi ja correu os 100m em 10s58 e os 200m em 20s72 podendo em ambasas provas chegar na segunda rodada. Avancar mais seria mais dificil.
A natacao, que nao foi representada em 2004, tera dois atletas convidados enquanto o boxe tera Khumiso Ikgopoleng pela segunda vez em Jogos Olimpicos e Thato Batsegui fazendo sua estreia. O primeiro conseguiu a vaga pelo pre olimpico africano enquanto osegundo foi convidado pela Associacao de Boxe.

Brunei Dois atletas representarao Brunei, um micro pais ao norte da Malasia, nas olimpiadas de Pequim. Mohd Yusof sera o representante no atletismo, na prova de arremesso de peso e disco. E um atleta muito fraco que sequer passou de 15m no peso e 40m no disco. Marie Grace Koeh nadara os 50m livre nas olimpiadas apenas para tentar nao ser a ultima. E realmente um dos paises com pior representatividade no esporte.

Burkina Fasso O pequeno pais africano localizado a noroeste da Africa levara seis atletas para Pequim. Idrissa Sanou que tem 10s14 como melhor tempo nos 100m rasos podera brigar por uma semi final depois de ser eliminado nas quartas de finais de 2004, em Atenas e cair na primeira fase em Sydney. A outra atleta no atletismo sera Aissata Soulama, que correra os 400m com barreiras, prova que tem a marca de 55s89 como melhor e que ficou em quinto lugar no mundial do ano passado, sendo uma chance real de medalha. No judo, Oulego Honatu disputara a categoria mais leve das mulheres, ate 48kg, gracas a um convite da federacao, o mesmo acontecendo com uma atleta na esgrima e duas na natacao.

Burundi O pais que tem uma medalha de ouro em sua historia, ira para Pequim com tres atletas sem grandes pretencoes de podio. Francini Niyonizigiye correra pela segunda olimpiada seguida os 5000m buscando melhorar a decima nona colocacao obtida em Atenas. Ja Joachim Nshimirimana correra a maratona gracas ao indice B que fez na prova em Praga, com 2h17min32. Em Atenas, ficou numa posicao muito boa, 32, entre os mais de 100 atletas participantes. Em Pequim busca melhorar.
Na natacao, Elsie Uwamahoro nadara as provas de livre sem grandes pretencoes.

Camboja Um pais devastado pelas guerras, proximo ao Vietna, disputara as olimpiadas com tres atletas, dois deles no atletismo. Bunting Hen correra os 1500m, sem grandes chances de passar para segunda rodada enquanto Tit Linda Sou correra o 100m pela segunda vez em Jogos Olimpicos, buscando melhorar os 13s07 que e sua melhor marca. Vitiny Helthom nadara as provas de livre da natacao. Em Atenas, foram quatro atletas, em Pequim tres.

Cabo Verde As pequenas ilhas que tiveram papel importancia historico ao serem referencia no Tratado de Tordesilhas do fim do seculo XIV irao a Pequim com apenas tres atletas, dois no atletismo e um na ginastica.
A vaga na ginastica foi obtida por Wania Monteiro que recebeu convite para participar do individual da ginastica ritmica.
No atletismo, Nelson Cruz e Lenira Santos. Nomes faceis para nos, que falamos a lingua portuguesa. Nelson correra a maratona com chances razoaveis, ja que participou do mundial de 2005 e terminou em 41. Lenira disputara os 100m rasos com um tempo mais de 2s pior que o recorde da temporada.

Ilhas Cayman O pais que conseguiu sua primeira medalha pan-americana durante os Jogos do Rio de Janeiro, ano passado, levara a Pequim tres atletas, dois deles no esporte que foi premiado na Cidade Maravilhosa.
Shaune Fraser foi vice campeao dos Jogos Pan-americanos nos 200m livre e chega a Pequim com um tempo de 1min48s35 que dificilmente lhe dara a vaga nas semi finais, mas o fara brigar para uma posicao entre os 30 melhores. Bett Frauser sera a outra nadadora.
No atletismo, Ronald Forbes ira disputar os 110 com barreiras, prova que seu melhor tempo e 13s63, altamente competitivo e com possibilidades de ir para segunda rodada.

Republica Centro Africana Serao tres atletas em dois esportes que representarao o pais nos Jogos Olimpicos de Pequim. No atletismo, Aymar Bosser correra os 100m, com o melhor tempo de 10s38, podendo se repeti-lo se classificar para a segunda rodada. Mireille Derebona correra os 800m e brigara para nao ser a ultima, com o melhor tempo de 2min22s, contra 1min53s do recorde mundial. No boxe, Bruno Bengogo conseguiu vaga devido a terceira posicao num dos torneios pre olimpicos, levando a vaga sem precisar de convite.

Chade Dono de um dos piores IDHs do mundo, Chade ira a Pequim com apenas dois atletas, ambos no atletismo. Maoumi Sebergue e Hinikissa Nhidikert, que sequer tem tempos no site oficial da Federacao Internacional de Atletismo. Um pais que tem um dos piores indices esportivos do mundo.


Chile Os chilenos, que no tenis em Atenas levaram ouro tanto nas duplas como em simples em batalhas antologicas, irao a Pequim com 26 atletas, incluindo os herois de 2004 Fernando Gonzalez e Nicolas Massu, que nao devem brigar por medalhas, principalmente o campeao olimpico Massu que precisou de um convite para participar dos Jogos. O pais ainda disputara o ciclismo, o remo, tiro, pentatlo, vela, esgrima, hipismo, judo, canoagem e triatlo, todos sem grandes chances de medalha. O esporte, entretanto, esta crescendo no pais, que pelo Pan que fez ano passado vai se firmando como quinto potencia sul-americana, atrás apenas de Brasil, Venezuela, Argentina e Colombia.

Ilhas Comores Apenas três atletas irão representar as pequenas ilhas a leste da África. Ahamada Feta e Mhadejou Yossouf no atletismo. Feta disputará os 100m rasos, prova que tem como melhor tempo 11s64 e dificilmente passará da primeira fase. Já Youssouf, também nos 100m rasos, tem 10s68 como melhor marca e também não deve passar da primeira rodada. Na natação, Mohamed Attoumane nadará os 50m livre sem grandes possibilidades.

Ilhas Cook Quatro atletas representarão as pequenas ilhas da Oceania, dois no atletismo, um na natação e outro no levantamento de peso. Sam Pera foi convidado para a competição acima de 105kgdo levantamento de peso enquanto Gordon Heather e Tereapii Tapoki serão os representantes no atletismo. Tapoki disputará o lançamento de disco, prova em que quase conseguiu índice B para as disputas, tendo melho marca de 57m14, 1m86 a menos que a marca. Entre os homens, Gordon disputará os 100m rasos sem grandes chances, assim como Petero Okotai na natação.

Costa do Marfím O país tem uma pequena chance de medalha no futebol, mas vou colocar aqui como provável não medalhista. O esporte mais popular do mundo é o mais famoso do país, tanto que disputou a última Copa do Mundo e muitos dizem que só não foi longe por ter caído no grupo da morte. Agora, nos Jogos Olímpicos pode surpreender e brigar pelo pódio. Além dos 18 futebolistas, o país tem um atleta na canoagem, um no atletismo, um na natação e dois no tawkondo. No tawkondo, N'guessan Sebastien e Mariam Ba conseguiram classificação pelos torneios africanos.

República Democrática do Congo- O ex-Zaire, irá para Pequim com quatro atletas em quatro esportes diferentes. No judô, Eic Kibanza, ficou em terceiro no ranking africano e levou a última das vagas do continenta. Na natação, Stany Ngangola nadará os 50m livre enquanto no boxe Herry Marko levou uma das sete vagas do continente para categoria até 75kg. No atletismo, o único competidor será Franka Magali, que correrá os 100m tentando baixar de 12s pela primeira vez.

Djubuti Apenas dois atletas representarão o pequeno país do nordeste africano, próximo ao Oriente Médio. Mahamoud Farah correrá os 800m rasos com reais chances de passar para a segunda rodada, já que seu melhor tempo é na casa de 1min47s. Já Ali Fathia, que disputou o mundial do ano passado, tem o melhor tempo nos 100m rasos de 12s83 e deve brigar para baixar o tempo e não para passar as próximas rodadas.

3 comentários:

George disse...

"O Ranking per Capita"

De vez em quando eu gosto de brincar com os "dados olímpicos", assim usando o quadro de medalhas das apostas do blog (apesar de eu não concordar com todas), as informações populacionais de http://www.novomilenio.inf.br/porto/mapas/nmpop.htm e o bom e velho excel eu fiz um ranking diferente, baseado no critério de medalhas de ouro como "o que importa" no posicionamento das nações (apesar de eu achar que um sistema de média ponderada com diferentes pesos para cada medalha seja mais adequado), é óbvio que a margem de erro é significativa, afinal até na divisão há arredondamentos, mas como se trata apenas de uma brincadeira:

Colocação-País -Ouro/milhão de hab.
1 - Jamaica ~ 1,78
2 - Chipre ~ 1,26
3 - Austrália ~ 0,95
4 - Estônia ~ 0,76
5 - Croácia ~ 0,67
6 - Geórgia ~ 0,65
7 - Belarus ~ 0,62
8 - Cuba ~ 0,61
9 - Eslováquia ~ 0,55
10 - Eslovênia ~ 0,50

Interessante notar a vice liderança do Chipre, país que nunca obteve sequer uma medalha, o que mostra a magnitude dessa eventual conquista.
Muito interessante notar a posição da Austrália, única a figurar no top 10 tanto do ranking absoluto, quanto esse relativo, o que mostra a força esportiva dessa nação.

Posição da "santíssima trindade":
Rússia - 17
Eua - 27
China - 45

e...
Brasil - 43

Guilherme Giorgi Costa disse...

muito bom esse ranking!
Onde vc fez?

George disse...

Eu fiz no Excel usando as previsões do blog. Eu semprei achei que avaliar o mérito olímpico de um país deveria se levar em consideração a sua população, é óbvio que quando o país conta com fenômenos como o Saladino do Panamá o mérito é muito mais, talvez exclusivamentem, do atleta.
O trabalho "duro" quem fez foi você fazendo as previsões das medalhas.