sexta-feira, 25 de abril de 2008

Individual geral


A disputa de medalhas da ginástica artística em Pequim será uma síntese da disputa entre China e EUA no quadro geral de medalhas em Pequim. Os dois países brigarão "pódio a pódio" pela primazia da ginástica. Os yankees, baseados na equipe feminina que ainda é superior a chinesa, apesar da evolução dos anfitriões mas entre os homens, os americanos correm o risco de até ficar sem medalhas entre os homens. Na nossa previsão, nenhuma das 24 medalhas masculinos irá para os americanos. Já os chineses, ficariam com 4 dos oito ouros entre os homes.

A equipe da Romênia, sem seu maior nome no feminino, Catalina Ponor, e no masculino, Dragulescu, vive uma fase de renovação e segundo nossas previsões, terá apenas uma prata. Nos Jogos passados foram 10 medalhas e quatro delas de ouro.
O Brasil, tem tudo para se tornar uma potência na ginástica, ainda está em evolução, principalmente entre as mulheres. Apesar disso, Diego é o favorito no solo mas é o único do país classificado.
O mapa da ginástica mundial mudou da Europa para a América e a Ásia.
Vale lembrar que está na hora de mudar o modo de classificação. Alguns grandes nomes em determinados aparalhos não disputarão os Jogos Olímpicos pelo fato de suas equipes não serem boas ou porque não disputam os 6 aparelhos

Quadro 2004 Aposta para 2008
Romenia 4ouros 3 pratas 3 bronzes EUA 5ouros 3 pratas 2 bronze
EUA 2 6 1 China 5 1 6
Japão 1 1 2 Brasil 1 1 1
China 1 - 2 Alemanha 1 1 1
Espanha1 - 1 Eslovênia 1 1 -
Itália 1 - 1 Polônia 1 - -
Canadá 1 - - Japão - 1 2
França 1 - - Russia - 1 1
Grécia 1 - - Coréia - 1 1
Ucrânia 1 - -
Russia - 1 2 Romênia - 1 -
Bulgária- 1 1
Coréia - 1 1 Espanha - 1 -
Letônia - 1 - Grã Bretanha- 1 -
Bulgária - -1


Para terminar as análises da ginástica artística, os favoritos à medalha nas provas de individual geral. Entre as mulheres, a prova engloba as notas da trave, solo, barras assimétricas e salto enquanto entre os homens, são disputados o solo,salto, barra fixa, barras paralelas, argolas e cavalo com alças.

Entre as mulheres, a briga promete ser muito forte, podendo inclusive uma brasileira conquistar o inédito pódio para o país. Provavelmente, as medalhas ficarão com quem não errar. No mundial, Jade caiu no solo e Vanessa Ferrari falhou na trave. Ficaram com o bronze, mas talvez não tenham essa chance em Pequim...

A mulher a ser batida é a americana Shawn Johnson. Favorita á medalhas nas barras paralelas e na trave, precisa apenas aperfeiçoar seu salto para, se não cometer grandes erros, ficar com o título no Individual Geral. Sua prova de solo e principalmente na trave são excelentes, podendo superar até a nota 16, ou perto disso, algo que não conseguiu na final da prova do mundial do ano passado, quando foi ouro com a somatória de 61.875 pontos.

Com ufanismo a parte, posso afirmar que Jade Barbosa é sua maior adversária. A atleta brasileira liderava o campeonato mundial do ano passado até a última rodada, quando disputava o solo. A brasileira acabou sofrendo uma queda e recebendo a nota 14,000, quando podia receber ao menos meio ponto a mais, que caso conquistado ficaria com a prata. Porém, seu maior problema será o psicológico, já que não aguentou de entrar na última rodada liderando os Jogos Pan-americanos e acabou caindo nas Barras Assimétricas, o mesmo acontecendo no mundial com o solo.

A romena Steliana Nistor, prata no mundial do ano passado, tem a trave e as barras assimétricas como seus maiores trunfos. Na trave ficou com a prata no mundial mas deixou a desejar no salto, prova que é ""mais fácil"" conseguir tirar notas acima de 15. Com a nota de 14,875 acabou abaixo da média das primeiras colocadas.

A italiana Vanessa Ferrari tem tudo para conseguir uma medalha no individual geral. Ela, dificilmente conseguirá um pódio nas provas de aparelho, mas ela é bastante regular. Medalhista de bronze empatada com Jade no individual geral, precisa melhorar na trave, em que no mundial teve a nota de 14,475, bem a baixo do que havia obtido nas eliminatórias, com 15,750.Se não errar, dificilmente perderá a medalha, já que em 2006 foi campeã mundial com 61,025 pontos no total.
A americana Anastacia Liukin tem tudo para ganhar medalha nas barras assimétricas e na trave, mas no individual geral, a medalha não será tão "fácil". Ela precisa aumentar suas notas de partidas no solo e no salto, para conseguir tirar notas acima de 15 nestas provas, coisa que não conseguiu no mundial de Stutigart, ano passado. Porém, o perigo está ao lado. Suas compatriotas podem tirá-la da final, já que apenas duas atletas de cada país podem disputar as medalhas. Ela é provável segunda americana na final da prova, mas tem de ficar de olho em Shayla Worley e Alicia Sacramone, caso ela "resolva" disputar a trave.

A china provavelmente terá Yling Yang e Sha Xiao. As duas precisam melhorar nos saltos, prova em que a China, apesar de ter Fei Cheng, não tem boas notas. Além disso, as donas da casa precisam melhorar um pouco no solo para aí sim poder sonhar com uma medalha.

Elizabeth Tweddle, da Grã Bretanha, tem um solo e as barras assimétricas muito boas, mas precisa ter uma nota de partida melhor no salto se quiser brigar pela medalha no individual geral.

Aposta
Shawn Johnson(EUA)- Ouro
Jade Barbosa ( BRA) - Prata
Anastacia Liukin( EUA) - Bronze

A prova masculina do individual geral provou ser muito bem distribuida no mundial de 2007. Nas seis primeiras posições, sete atletas de sete nações diferentes.

O chinês Wei Yang, apesar dos 13,600 na barra fixa, conseguiu a inacreditavel pontuaçao de 93,675 no mundial do ano passado, quando abocanhou o ouro. Chegou à três finais de aparelhor, ficando "longe" da medalha em todos, com a sexta posição no Cavalo com alças, argolas e nas barras paralelas.

O alemão Fabian Hambuechen é o único dentre os postulantes à medalha no individual geral a conseguir tirar nota acima de 16 na barra fixa, algo muito difícil pois é o aparelho mais "rigoroso" nas notas. Precisa melhorar no cavalo com alças e nas argolas se realmente pensa em tirar o ouro de Yang. Foi medalha de prata no mundial de 2007.

O japonês Hisashi Mizotouri, veterano olímpico, tem na barra e no solo seus principais aparelhos para conseguir repetir a medalha do mundial de 2007, quando foi bronze no individual geral e também nos aparelhos citados.
O americano Jonathan Horton não disputou nenhuma final por aparelhos no mundial, mas conseguiu ser regular o bastante para ficar na quarta posição com uma prova de salto muito boa, mas deixando a desejar no cavalo com alças.

O coreano Dae Eun Kim tem sua especialidade nas barras paralelas mas não consegue sequer nota superior a 14 na barra fixa. Ficou em quinto no individual geral do mundial no ano passado e poderá beliscar o pódio em Pequim. Ele ficou com uma conturbada medalha de prata em Atenas 2004, quando teve sua nota revista e o título perdido para o americano Paul Hamm.

Quem ficou em sexto no mundial foi o espanhol Rafael Martinez , que teve uma regularidade incrível, mas dificilmente conseguirá melhorar sua posição para Pequim 2008. Ele, que ficou em quinto em Atenas, deve ficar perto da posição alcançada há quatro anos.
O mesmo acontecendo com o romeno Flaviusz Koczi, que precisa melhorar nas argolas se quiser sonhar com algo.

Aposta
Wei Yang(CHN) - Ouro
Fabian Hambuechen (ALE) - Prata
Dae Eun Kim (COR) - Bronze

Um comentário:

Felipe Renato disse...

Só acompanho ginástica feminina, portanto só posso comentar sobre o individual feminino.
Achei sua previsões muito boas, mas penso que foram baseadas apenas no mundial do ano passado.
Para 2008 muitas ginastas já mudaram ou estão aperfeiçoando suas séries. Principalmente as americanas que já tiveram competições importantes esse ano.
As americanas top já participaram do American Cup e do Pacific, que são competições realizados nos EUA, com as notas muito "infladas" para as donas da casa, mas mesmo assim deu pra ver o nível em que elas estão.
Supondo que todas ginastas acertem suas provas, as americanas Anastasia Liukin e Shawn Jhonson brigam pelo ouro. Jade Barbosa (BRA), Steliana Nistor (ROU), Vanessa Ferrari(ITA), Sandra Izbasa (ROU), e diversas outras ginastas lutam pelo bronze. Isso se todas acertarem, o que nunca acontece, portanto acredito que teremos uma boa disputa pelo pódio, no qual diversas ginastas podem chegar.
No ano passado Liukin não fez uma boa competição, mas esse ano tem demonstrado um nível altíssimo, com séries difíceis e ótima execução. Jhonson, que já tinha séries fortíssimas, aumentou a dificuldade delas, principalmente no salto que ano passado partia de 15.8 e pra Pequim vai partir de 16.5. Ela é muito estável, dificilmente tem erros graves.
As ginastas européias já competiram no Europeu desse ano, e não mostraram séries tão fortes quanto as das americanas, mas isso é relativo, pois podem estar com suas séries em construção para os Jogos.
Não acredito em surpresas de ginastas chinesas para o individual geral.
Jade Barbosa promete dificultar um pouco suas séries até Pequim. Sua preparação é diferente porque não tem nenhuma competição importante até as Olimpíadas. A preparação está voltada para que atinja o auge durante os Jogos. Esperamos que seu emocional esteja em dia, pois o caminho da brasileira no individual geral não vai ser fácil, porque essa competição vai ser acirradíssima. Creio que será decidida nos detalhes.
Torço muito pela Jade, mas torço também pela beleza do esporte. Tomara que todas façam seu melhor e que vença a mais completa. Temos tudo para presenciar uma das finais mais emocionantes de todos os tempos.